quinta-feira, 8 de março de 2012

Missa a 1/2


Fui a missa de sétimo dia do amigo Francesco. Sei, estas
coisas não se bradam por aí, você apenas faz e pronto.
Mas senti necessidade de escrever e ponto. Francesco
sucumbiu à luta contra o câncer. Nos seus últimos tempos
ele falava bastante de mim a sua esposa que queria me
conhecer. Não éramos próximos. Apenas dois apaixonados
pelo mundo Harley-Davidson. Na última vez que o vi,
estava ele comandando as grelhas. Era um churrasco
na oficina de outros amantes da Harley. Lá estava ele
e sua indefectível máquina vermelha e preta. Apenas
muito, muito magro, o intrépido italiano todo alegria
e sorriso ficou mais feliz ao me ver. O amargurado aqui,
ao ver tanto bom astral emanando, ficou chateado que todos
se curavam desta doença, menos, é claro, o azaradão que
vos escreve. Envolto em minha própria batalha diária,
não mais falei com ninguém. Qual não foi minha surpresa
semana passada, quando recebi um e-mail do dono
da oficina dizendo "Hoje falei com a esposa do Francesco
e ele não está nada bem, está internado e sedado, ela
me perguntou quem é o amigo Claudinho de quem ele
tanto fala". O Claudinho que ele tanto fala ficou acabado
ao saber de seu falecimento. Como se ele estava curado?
Estava curado em minha cabeça, onde está bem quem anda
a pé ou de moto. Vaidade minha. Vaidade estúpida. Só
porque estou debilitado fisicamente não me credencia a
coitadinho do ano. Ainda estou aqui. Ainda estou lutando.
O Francesco não teve isto. Fui a missa não por vaidade
ou para te contar. Fui por vergonha, arrependimento
do pensamento errado, por descobrir que não sou o centro
do universo. Fui porque dar é melhor que receber, e queria
dar uma força à esposa do amigo. Foi assim que aprendi
mais uma lição. Francesco, descanse. Não sei ainda quando,
mas como todos vão, um dia a gente se encontra
nas estradas do céu. Alessandra, pena nos conhecermos
em um momento tão difícil. Seja forte.  
          

2 comentários:

Coisas Boas da Vida disse...

RIP Francesco

Fábio disse...

Admitir nossos erros é um passo gigantesco em direção a própria paz, tentar repará-los devolve um pouco de dignidade, mas a vaidade, infelizmente, faz parte do ser humano... Muitas vezes não temos cabeça para refletir sobre o todo a nossa volta e pensamos só no próprio umbigo... Keep strong!