terça-feira, 16 de agosto de 2011

Scooter


Estou tendo que ser menos exigente. Sei que não estou em posição
de exigir nada. Ou talvez seja só uma questão de semântica.
Antes eu falava em cura. Agora, em melhora. Lógico, ainda quero
e espero a cura. Acordar um dia zerado e retomar minha vida.
Mas após quase ano e meio, começo a achar que só de estar
por aqui já é um milagre. O diagnóstico não era muito otimista.
O cara que vos fala, acostumado a ver sempre o copo meio vazio
teve de mudar seu comportamento e senão ver a metade cheia,
saber que ela existe. E aceitar ela. Estou andando com dificuldade,
sem equilíbrio. Ontem dei uma volta em uma scooter elétrica
e curti. Para quem andava em um Harley e corria maratonas,
ridículo. Para quem dar uma volta a pé no quarteirão é um
sacrifício, a metade do copo não poderia estar mais cheia. É isto.
Nova realidade. Infelizmente é assim. Lógico, sempre poderia
ser pior. Costumo dizer que tenho uma doença no cérebro
e o único membro não atingido é o tal, que continua pleno
e consciente de suas forças e afazeres. Eu poderia ter ficado
meio pancada também, vai saber. Diante deste prisma, o copo
está transbordando de cheio. E a scooter elétrica, me esperando.
     

2 comentários:

caroline disse...

fico feliz em saber!
gozar de pequenos prazeres e, principalmente, reconhecê-los, nos faz continuar a caminhada (mesmo que dura) com mais energia e confiança.
bjs

Pinkovai disse...

Harleyro será sempre Harleyro meu caro...
You can ride with me if you like. Come with the scooter, harley or whatever you like or can, but ride, keep ridding, keep fighting.

Melhoras amigo.